Quem Escreve

FOTOS

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

À Conversa com uma Filha Rejeitada pela Própria Mãe

A conversa que vamos ter hoje é bem diferente do habitual. As conversas com bloggers já se banalizaram e tornaram-se presentes em muitos blogs. O que é demais aborrece e deixam de lhe dar o devido valor. Não, não vou deixar de falar com bloggers, até porque foi um projeto que nasceu com o blog, mas vou também falar convosco, contar as vossas histórias de vidas. 

Sofia, uma menina linda que a única coisa que queria era o que não conseguia ter, o amor da sua mãe, lutou, desistiu, voltou a lutar e hoje vem contar-nos, na primeira pessoa como foi a sua vida. Vem mostrar ao mundo como há pessoas que não merecem ou não sabem ser mães, vem contar-nos a dor e o sufoco por que passou, as vezes que bateu no fundo e aquilo em que hoje se transformou. Sofia hoje é mãe e não quer para os seus filhos aquilo que teve na sua infância. Luta desalmadamente por manter os seus sorrisos, por lhes dar atenção e carinho e mostrar que o seu amor por eles é infinito e que aconteça o que acontecer estará sempre ali para eles. 

Imagem retirada do pintrest

“Sempre fui louca pela minha mãe. Loura, de olhos azuis. Não sei se ela era realmente tão bonita quanto a via, se era o amor que lhe tinha como filha. A verdade é que nasci quando ela era muito nova. Engravidou, casou e saiu de um meio pequeno e veio para uma cidade morar com o marido e com a família dele. A sogra nunca foi fácil para ela. Sei disso e acredito que tinha muitas vezes querido fazer o papel de minha mãe, que no fundo realmente sempre foi, mas ela não ajudava. Passava os dias na cama, quando o meu pai não estava a trabalhar iam sair em grupo e eu era a mascote de um grupo enorme de amigos. Incrivelmente não me recordo da minha mãe aí! Só dele, o meu pai e dos amigos e amigas mas sei que ela sempre lá esteve. 

Depois havia a família da minha mãe. Os meus avós apesar de analfabetos eram uns doces e sempre gostaram de mim, mas havia tios, tias e primos. Esses sempre foram claros em querer magoar-me porque eu era da cidade, que era uma pena ser tão feia, ter saido ao lado do meu pai e não era como eles que eram péssimos na escola. Que ía ser professora como a minha tia porque nunca tinha chumbado. Faziam me acreditar que o certo era nao ser inteligente. A verdade é que eu me sentia culpada quando estava com eles e tinha vergonha das minhas notas. 

A minha irmã nasceu e pela primeira vez o meu pai ralhou comigo. Fiquei tão magoada… Ralhou por causa de uma coisa sem importância. Acho que comecei a gostar um bocadinho menos dele nessa altura. Com a doença dele, começaram os seus problemas de instabilidade emocional. Chegou a ser levado numa ambulância de colete de forças. Queria bater nos, chamava nos nomes. Eu tinha 9 anos e chamava me puta a mim, à minha mãe e à minha avó. Mal sabia o que era uma puta. Mas sabia que não era bom. Tudo se centrou no mal dele. Soubemos logo que a doença era falar. 

Nessa altura a minha irmã era bebe e a minha mãe saia com amigas e amigos, andou com alguns amigos do meu pai enquanto ele se consumia em dor numa cama. Quando podíamos íamos com ela. Quando não íamos a minha irmã recusava-se a comer a menos que fosse a comida da mãe. Eu ia comprar pão e comia. Aprendi a fazer comida aos 9 anos. Agora faz me confusão que a minha avo levasse todos os dias comida ao meu pai e que deixasse duas crianças de estômago vazio. Talvez achasse que a minha mãe nos alimentava. 

Um vez, a minha mãe levou nos para casa dos meus avós do campo. Aliás levou-me a mim. Fechou-se num quarto com o marido da melhor amiga e deixou-me fechada no outro com o irmão dele num outro. Eu sequer sabia o que me estava a acontecer… Na altura não fazia ideia o que era sexo. Tive esta memória reprimida mais de 20 anos. Lembro me apenas de ele me tocar e de me dizer que eu era quentinha… 

Enfim, anos depois a minha mãe começou a andar com a pessoa com quem esta agora (dois anos antes da morte do meu pai) Eu sempre gostei dele, sabes? Era um bocado de sanidade na loucura que era a minha vida e a verdade é que ele sempre foi porreiro para mim. 

No dia do funeral do meu pai fiquei nos meus avós e não sai mais Eu e que tive que preparar o funeral. Porque a ela faziam-lhe confusão os caixões. Eu tinha feito 15 anos havia dois dias e é das piores memorias que tenho. Os meus avos estavam devastados. Perder um filho tao novo… Acho que no fundo estávamos todos devastados. Foram tantos anos tanta crise que achávamos que era apenas mais uma. Ate que um dia... é a ultima. 

O meu pai deixou 400 contos tinha na conta dele. Fui eu que falsifiquei os cheques ainda com 14 anos porque se dizia que depois de ele morrer se a conta tivesse apenas em nome dele, ía uma percentagem para o estado. Tudo a pedido dela, claro! A primeira coisa que ela fez com o dinheiro foi comprar roupas de viúva, lembro me perfeiramente. Enfim torrou tudo!!! 

A partir daí comecei a ouvir sempre que estava com ela que eu lhe tinha estragado a vida toda, que teve o namorado x e y que eram ricos e que logo foi casar com meu pai etc etc, que as colegas no local de trabalho dela diziam sempre que eu era gira mas era pena não ter a cara dela. Eu tinha vergonha de mim porque até a minha própria mãe dizia imensas vezes que eu era feia por não ser igual a ela! Mas que a minha irmã sim, era linda porque era igual a ela. Mesmo que não acredites no discurso porque não é normal numa mãe, pensas: que mal fiz eu para que a minha própria mãe me diga isto? Então sempre me culpei. 

Ela sempre foi gastadora compulsiva e houve uma altura em que eu tinha dinheiro e ela pedia me imensas vezes. Íamos às compras e o que ela gostava comprava-lhe. Tinha pena dela, sabes? Depois venho a saber que acabava as compras e ia para as esplanadas com as amigas dizer que eu só me podia estar a prostituir ou tinha algum gajo que me 'bancasse', porque o meu marido e eu não ganhávamos assim tanto, que ue eu tinha imensos amantes, etc, etc, etc… dói pensar… Ela era e é amiga de uma das minhas cunhadas. Aliás essa cunhada foi minha baby sitter ou ama e, de repente o meu ex marido começou a tratar me mal e a insultar-me, até que me expulsou de casa. Provavelmente o que ela dizia de mim chegou aos ouvidos dele. 

Cada vez que vê os meus filhos pergunta me que idade têm, se já andam na escola… Não nos deseja feliz natal. Não lhes deseja feliz aniversário. Enfim, a partir do momento que eu vi que havia diferenças entre a forma como ela tratava os meus filhos e o da minha irmã desisti. Acabou ali! Magoar-me a mim era uma coisa, agora dizer o meu neto isto, o meu neto aquilo em relação ao filho da minha irmã ao pé dos meus filhos e as amigas a corrigi la “estes também são teus netos!!!” Ela chegou a telefonar ao meu ex marido e ele na casa que eu moro agora, porque tinha ido buscar ou ver o filho, a dizer que não me deixasse estar com miúdo porque eu deixava que ele passasse fome. A verdade é que depois da separação passei uma fase muito difícil a nível financeiro e cheguei a pedir ajuda. Aceitei roupas, calçados e até dinheiro para os meus filhos. Pedir não é vergonha. 

E pedirei sempre que não lhes conseguir dar o que precisam. Nem sempre chega para tudo e a pessoa que me acolheu, ligou-lhe e disse a dizer que ela como minha mãe uma vez que recebia indevidamente pensão de viuvez há mais de 24 anos podia ao menos dar esse dinheiro às filhas. Foi aí que ela se passou e disse ao meu ex para me tirar o miúdo que ele comigo passava fome. Ela nunca me deu nada. Vinha a minha casa perguntar se eu tinha cremes e perfumes e roupas que não usasse. Levava para ela e para as amigas. Eu dava sempre porque eram as migalhas que ela me dava de atenção e eu era carente, fazia tudo para que ela fosse feliz. 

Chegou a uma altura que me começa a telefonar a perguntar se andava a pedir empréstimos às financeiras em seu nome porque estava farta de receber cartas a cobrar. Descobri depois que tinha dividas em tudo o que eram empresas de créditos e, talvez para o marido não se chatear, dizia que era eu. Mas o marido é uma pessoa instruída, falei com ele e disse lhe que visse para que conta bancaria ia esse dinheiro que as financeiras falavam. O dinheiro deixa rasto. Nunca pedi empréstimo nenhum. Tenho o da casa como 70% dos portugueses. Ele foi investigar e ficou devastado quando se apercebeu que todos os créditos tinham sido feitos em nome dela com comprovativos de vencimento dela, irs etc, para a conta dela, à qual não tenho qualquer acesso afinal. Não moro c ela há mais de 20 anos. Nem sei qual é o banco. O triste é que ela diz a toda a gente que eu faço empréstimos em nome dela. E as pessoas menos instruídas se calhar nem pensam que isso não é possível. Mas custa me que ela espalhe isso. Ela ganha bem. Para portuguesa ganha muito bem, até, a pensão de viuvez não tem um valor tão baixo quanto isso. Ela não tem que me ajudar, sabes? Nunca o fez não será agora. Só não tem que me tentar difamar e caluniar 

O único futuro que vejo para a nossa não relação é se ela continuar a acusar me seja com mensagens seja com pessoas que me veem contar é formalizar uma queixa crime contra ela. Acho isso horrível. Mas não posso deixar que me tente destruir mais… Sabes que houve uma altura que ela ia a bruxas pedir p me fazerem mal? As amigas contaram-me. Enfim mais valia ter me dado para adoção. 

Acho que nunca disse isto tudo a ninguém… 

Eu tenho amigas minhas que não a podem ver. Uma vez estava cá uma amiga que tinha conhecido há relativamente pouco tempo veio ter comigo depois do ano novo. Estávamos no shopping e eu disse-lhe nos íamos cruzar com a minha mãe. Ela olha para mim dá-me dois beijinhos e diz: ‘Olha que menina tão bonita que venho encontrar aqui’ E seguiu em frente. A minha amiga ficou tipo ‘Mas... a tua mãe? Parecia uma vizinha ou algo assim.’ 

O meu mais novo fez anos. Ela não disse nada. Nunca diz. Nem do mais velho e passámos pela rua. Ela cumprimentou-nos e eu não me aguentei e disse ‘Podias era ter-te lembrado que o teu neto fez anos ontem’ e ela disse ‘mas eu lá tenho que saber essas coisas era o que me faltava’. E o meu filho pequeno triste… Enfim. pensei que ela dissesse ‘oh parabéns, a avó esqueceu-se’. Mas com a idade ela perdeu o filtro, resta o cinismo, a hipocrisia… Agora mostra o que sempre foi e eu só a quero longe. Não há explicação possível. Ela teve pais maravilhosos, um bom emprego, muitas ajudas quando casou. Vem de uma família enorme que conseguiu envenenar todos contra mim. Para te dizer a verdade nem sei o que lhes pode dizer. 

O pior que lhe podem fazer, e acontece muito, é quando vou ao local de trabalho dela. Uma vez que as colegas dela acabam por ter me carinho e proteger-me e todas me elogiam e ao meu trabalho. Ela fica doente... diz logo ‘a minha Joaninha também e bonita. Ah mas a minha Joaninha tem um curso superior” E as pessoas olham para ela tipo ‘Who cares about Jonanhina! A gente gosta é da Sofia’. Ter uma má mae despertou em muitas pessoas um sentimento de caridade. De amor. Proteção 

Não tive mãe tenho tido muitas mães que se indignam e me ajudam e são ótimas para os meus filhos. 

Portanto... talvez não fosse a mãe que sou se tivesse uma mãe normal. Temos que ver sempre o lado positivo. Acho que se tivesse tido uma boa mãe nem queria ter filhos. Eu tenho muita sorte. A maioria das pessoas na minha vida real são boas comigo. O que sempre me deixa indignada é porque é que taaaanta gente gosta de mim e me vê qualidades e a pessoa que me teve não. A pessoa que mais me devia amar. E acredita que a maioria dos filhos acham sempre que se as mães não gostam deles, são eles culpados. Agora já não procuro explicação. Aceito que morreu em vida. Mas durante muito tempo... Chorei quase 40 anos. 

Acreditas que ela nem sabe a minha idade? 

Eu acho que ela é psicopata. Mas eu não sou psicóloga nem psiquiatra. Mais que maldade. Há algo muito doentio nela. Cresci a ouvi-la dizer que era muito boa pessoa e que não, eu era arrogante. Como é que uma pessoa que me fez tanto mal pode dizer que é boa pessoa? Ela que ficou doida quando a partir dos meus 30 anos toda a gente dizia que eu era parecida com ela e que a minha irmã não brilhava tanto como eu. Pode parecer pouco, mas cheguei a implorar para que as pessoas não fizessem nenhum tipo de comentário sobre a minha irmã para não a ver com ódio. 

Chegaram-lhe a dizer que apostou no cavalo errado, porque a minha irmã sempre a tratou mal, que a Joana não tinha brio, não se arranjava. O meu padrasto dizia-lhes que tinha desgosto por não se arranjarem, que deviam deviam seguir o meu exemplo, que andava sempre bonita. Ele foi um pai p ela. Se ela estudou a ele o deve Mas não, farta se de dizer mal dele. Não é muito diferente da mãe. Sinto pena de pessoas assim. 

Eu só queria ver-me livre de tudo de mal que passei. Antes dos meus 38 anos não me podia ver ao espelho. Via o reflexo que ela me incutiu de mim – Horrível. Eu passava pelas pessoas de cabeça baixa, com vergonha da minha cara.” 

Felizmente a Sofia de hoje é uma mulher de armas. A vida ensinou-a a acreditar nela, a ver a sua beleza refletida no espelho. Cada pessoa tem o seu brilho e ela tem o dela. Aprendeu e sobreviveu à sua custa e isso tem um valor acrescido, para além de a ter tornado uma melhor pessoa. Nem tudo acontece por acaso e a sua história terá uma razão de ser, mas não deixa de ser triste e desumano uma mãe não ser mãe. Nem dá para imaginar. 

Eu sei que já lhe disse, mas a Sofia está de parabéns por seres como é, por ter o coração que tem e o espírito de ajuda que tem, porque é tudo dela. Veio tudo de si. Ninguém lhe ensinou, muito pelo contrário, aquilo que lhe incutiram foi precisamente o contrário… 

Se queres partilhar a tua história, mesmo que de forma anónima envia-a para o email: magianaspalavrasbypaula@gmail.com, Terei todo o prazer em a publicar.

BeijinhoBom

1 comentário:

  1. Estou chocada, só costumo saber histórias destas através de livros que leio.
    O meu pai passou uma vida um pouco semelhante mas não TANTO!!!
    Sofia, no teu lugar eu faria tudo para a fazer sofrer e "pagar", queixas crime etc, TUDO!
    Dinheiro tenho pouco, mas quando precisares de alguma coisa contacta-me, pode ser que eu tenha algo que precises, nunca se sabe.
    ÉS LINDA, FORTE, LUTADORA, VENCEDORA, HEROÍNA... Tudo o que a tua mãe NUNCA FOI e NUNCA SERÁ!
    Recebe o meu abraço apertado e cheio de carinho 😘💏

    ResponderEliminar

Deixa o teu comentário. É muito importante para mim saber a tua opinião.
BeijinhoBom*